Início do conteúdo

AÇÕES EDUCATIVAS COM PORTADORES DE DIABETES MELLITUS ATRAVÉS DA EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE

RESUMO
A Educação Popular em Saúde, em sua dimensão libertadora, remete indivíduos e grupos à troca de saberes e experiências, permitindo-lhes associar a saúde ao resultado das suas condições de vida levando a uma emancipação do sujeito. Sob essa ótica, trabalhadores e usuários da saúde são sujeitos do processo educativo. Neste sentido, este estudo tem como objetivos apresentar as principais características clínicas e sócio sanitárias e promover ações educativas com portadores de Diabetes Mellitus (DM) em uma Unidade de Saúde da Família do Distrito Sanitário Oeste, no município de Natal/RN. Trata-se de uma pesquisa-ação na qual foi utilizado, para a dinamização de três grupos educativos com reuniões periódicas mensais, o referencial teórico da Teoria da Educação Libertadora, que tem como base uma pedagogia problematizadora e que valoriza o diálogo no processo de compreensão de si mesmo e do mundo. Participaram da pesquisa trinta trabalhadores de saúde e trinta e seis usuários diabéticos, moradores da área de abrangência da unidade de saúde. Cada grupo de usuários tinha, em média, doze participantes, e as ações foram organizadas no salão da unidade, no Espaço Eliane Laurentino, utilizando-se rodas de conversa, dinâmicas de grupo, narrativas de vida, relatos de experiências, exibições e discussões de filmes, músicas, explicitação de saberes, desejos, limitações, crenças e valores socialmente construídos. A coleta dos dados foi realizada durante o segundo semestre de dois mil e treze através da Técnica de Associação Livre de Palavras (TALP), gravações das rodas de conversa, observação participante, dinâmicas de grupo, depoimentos, questionários, narrativa de vida e fotografias. O material empírico foi organizado e submetido a três análises: conteúdo temático e análise de ocorrência (Bardin), análise pelo software IRAMUTEQ (Ratinaud), e o método de análise fotográfica (Edmund Feldman). Essas análises dos dados originaram palavras, expressões, categorias, temas e situações criativas mostrando que a educação popular em saúde encontra-se em processo de construção, ainda muito incipiente na atenção básica. A Política Nacional de Educação Popular em Saúde nos mostra os caminhos necessários para a transformação das práticas de saúde e a construção de uma sociedade mais compartilhada e solidária. As reuniões de grupo vivenciadas poderiam ser espaços para reverter essa lógica normativa que vem acontecendo ao longo dos anos na atenção básica, mas isso, por si só, não basta. Concluímos que com a utilização de práticas ativas, ampliação da escuta e capacitações sobre Educação Popular em Saúde possibilitará mudanças no cenário onde os usuários e trabalhadores de saúde atuam com a diabetes mellitus. Assim, percebemos que a Educação Popular em Saúde vem sendo incorporada timidamente no processo educativo dos sujeitos deste estudo e bem distante dos princípios de participação, organização de um trabalho político, ampliação dos espaços de diálogo, respeito, de solidariedade e tolerância entre os diversos atores envolvidos no enfrentamento dos problemas de saúde, fundamentais para o aperfeiçoamento na construção de práticas saudáveis da atenção básica.
Palavras-chave: Educação em saúde. Educação popular em saúde. Grupo. Diabetes Mellitus

Voltar ao topoVoltar