Início do conteúdo

ANÁLISE DOS PRINCIPAIS INDICADORES DE SAÚDE DA POPULAÇÃO ATENDIDA PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE TERESINA – PI

RESUMO
Indicadores de saúde são utilizados para analisar a situação de saúde de uma população e contribuem para o planejamento, monitoramento e avaliação dos serviços de saúde. O objetivo geral deste trabalho foi analisar os principais indicadores de saúde da população atendida pela Estratégia Saúde da Família de Teresina através de um estudo exploratório, descritivo, de abordagem quantitativa que analisou os indicadores socioambientais, epidemiológicos e operacionais da atenção básica. Foi realizado no município de Teresina-PI com coleta de dados do período de janeiro a dezembro dos anos 2008 e 2012 a partir do banco de dados do SIAB/DATASUS. Os indicadores socioambientais mostraram que na capital ainda há a prática de formas alternativas de abastecimento de água e 12,31% das famílias cadastradas na atenção básica não realiza tratamento da água no domicílio. A cobertura do sistema de esgoto demonstra precariedade cobrindo apenas 13,70% das famílias estudadas. Em relação à cobertura vacinal em menores de dois anos, os resultados foram satisfatórios com percentuais acima de 94,00%. O acompanhamento dos adultos com condições crônicas foram considerados inadequados mostrando que não corresponde ao número de cadastrados pelas equipes. As taxas de hospitalização por pneumonia e desidratação diminuíram, porém houve aumento nos percentuais de mortes em menores de um ano, sendo o componente neonatal o indicador com números crescentes em óbitos. A expansão da cobertura populacional em Teresina mostrou um aumento do acesso da população aos serviços de saúde contribuindo em melhorias na qualidade da assistência em saúde, no entanto são necessárias intervenções intersetoriais elencando prioridades e investimentos no sentido de desenvolver ações com os objetivos pactuados pelos gestores a fim de melhorar os indicadores de saúde do município.
Palavras-chave: Saúde da família. Indicadores de saúde. Epidemiologia.

Voltar ao topoVoltar