Início do conteúdo

CARTILHA EDUCATIVA PARA PROMOÇÃO DO AUTOCUIDADO EM HANSENÍASE

RESUMO
A hanseníase é uma doença infectocontagiosa e potencialmente incapacitante. Manifesta-se sob forma de lesões na pele e processos inflamatórios em nervos periféricos, sendo o autocuidado uma ferramenta substancial para o manejo na prevenção e minimização das incapacidades e deformidades. Objetivou-se elaborar uma cartilha educativa para promoção do autocuidado em hanseníase. Estudo descritivo/qualitativo que apropriou-se dos pressupostos da pesquisa-ação. Realizado no ano de 2016 no município de Juazeiro do Norte-CE. Participaram do estudo 21 pacientes em tratamento para hanseníase, acompanhados no Centro de Dermatologia e Doenças Infecciosas. Utilizou-se da roda de conversa como proposta metodológica e entrevista semiestruturada como instrumento para coleta dos dados. Os dados foram analisados e discutidos sob forma de capítulos e categorias, construídos por meio das significações dos participantes, contribuindo na elaboração da cartilha educativa. O estudo tem aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Regional do Cariri (URCA), sob Parecer n.º 1.438.136. Identificou-se após a compilação dos dados que os participantes possuem baixa renda e nível educacional limitados. Compreendem pouco os significados das palavras incapacidade e autocuidado, sendo suas práticas de autocuidado substanciadas apenas no cuidado com o corpo por meio da hidratação da pele e uso de protetor solar. O corpo alterado pela doença também foi sinalizado pelos participantes, reafirmando o estigma real e imaginário como condição preponderante em suas vidas. Evidenciou-se também que os participantes ainda possuem algumas dúvidas sobre a doença. A tecnologia educacional em forma de cartilha aqui proposta, foi elaborada baseada nas principais significações dos participantes, reconhecendo suas principais dúvidas, dificuldades e necessidades. A cartilha aborda aspectos referentes ao cuidado com o corpo, especificamente com o rosto/face, mãos e pés e algumas orientações sobre transmissibilidade, tratamento, cura da doença e do preconceito. Traz uma ideia de dois personagens com hanseníase, o “Pedro” e a “Ana”, que ativamente orientam como eles aprenderam a se cuidar e como deve ser realizado o cuidado de forma autônoma e frequente com o corpo. Considera-se que esta cartilha servirá como meio para aproximação de pacientes com hanseníase e profissionais, uma vez que, as tecnologias educacionais promovem autonomia do sujeito e estabelece laços interativos
na troca de saberes, proporcionando melhoria das condições de saúde e doença de forma individual e coletiva.

Palavras-chaves: Hanseníase; Autocuidado; Incapacidade; Tecnologia Educacional.

Voltar ao topoVoltar