Início do conteúdo

ESTIMULAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS COM SÍNDROME CONGÊNITA DO ZIKA VÍRUS

RESUMO - Introdução: Crianças com a Síndrome Congênita do Zika vírus possuem comprometimento neuropsicomotor severo, necessitando do acompanhamento contínuo dos profissionais para que ocorra uma neuroestimulação eficaz, em busca de melhor qualidade de vida. Assim, a família tem papel fundamental nesse processo, utilizando-se do ambiente domiciliar para oferecer estímulos a essas crianças. Objetivo: Analisar a estimulação neuropsicomotora de crianças com a Síndrome Congênita do Zika vírus, segundo cuidadores e profissionais de saúde. Metodologia: Pesquisa qualitativa, descritiva-exploratória, realizada com dez cuidadoras de crianças com a Síndrome Congênita do Zika vírus e cinco profissionais que atuam em um serviço de referência de um município de Pernambuco, Brasil. A coleta de dados ocorreu entre novembro/2018 e março/2019, utilizando-se entrevista semiestruturada. O material empírico foi submetido à análise temática. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa, protocolo número 3.426.153 e CAAE: 00452618.8.0000.5188. Resultados: As cuidadoras protagonizam uma luta diária em busca de respostas e melhores condições de vida para o futuro incerto dessas crianças, com vivência permeada pelo medo, insegurança e a falta de apoio, que compromete a realização do estímulo da criança no domicílio. Os profissionais reconhecem a situação, contudo, enfatizam a importância da continuidade do estímulo para preservar as capacidades neuropsicomotoras destas crianças. Conclusão: Torna-se imprescindível o apoio dos profissionais de saúde a essas mulheres, buscando ressignificar suas vidas, acolhendo-as e conhecendo a singularidade de cada família, para, assim, poderem ter condições de estimular as crianças. Também são necessárias políticas públicas mais efetivas para atenderem as reais necessidades das crianças com a Síndrome Congênita do Zika vírus e sua família.

 

Descritores: Saúde da Criança; Zika vírus; Deficiências do Desenvolvimento; Mulheres; Relações Profissional-Família.

Voltar ao topoVoltar