Início do conteúdo

A ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA NO APOIO À MULHER PARA O ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO

RESUMO: Os primeiros meses de vida da criança são determinantes quando se trata de nutrição infantil, sendo o leite materno considerado o alimento mais completo para o recém-nascido. No Brasil, apesar de se observar um aumento da prevalência do Aleitamento Materno nos últimos anos, ainda está abaixo do recomendado pela Organização Mundial de Saúde. As redes de apoio social, primária e secundária consistem em importantes influências para a manutenção adequada do Aleitamento Materno. A rede primária inclui os familiares, pessoas próximas da lactante e o pai da criança; a secundária compreende os profissionais da saúde. A presente pesquisa buscou analisar a atuação da Estratégia Saúde da Família no apoio à mulher para o aleitamento exclusivo nos seis primeiros meses de vida da criança. Trata-se de um estudo de caráter exploratório-descritivo, abordagem qualitativa. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com profissionais de saúde e Agentes Comunitários de Saúde, da Estratégia Saúde da Família do município de Alagoa Grande – PB. As entrevistas foram gravadas, transcritas e analisadas pela técnica da análise temática, à luz do referencial teórico interpretativista. Ainda são muitos os desafios a serem enfrentados para se obter um apoio efetivo às mulheres que amamentam no âmbito da Estratégia Saúde da Família, e é necessário que haja mudanças no processo de trabalho, buscando contornar as limitações e fragilidades evidenciados. Os profissionais da ESF constituem atores centrais no apoio à mulher para o AME nos primeiros seis meses de vida da criança, contribuindo para a manutenção no período adequado, além de reafirmar a necessidade de atuação da equipe mediante o trabalho interprofissional. Urge ampliar a compreensão dos profissionais sobre o seu papel na Rede de Apoio, além da reorientação das abordagens utilizadas, para que haja avanços nesse cenário.

Descritores: Estratégia Saúde da Família, Apoio Social, Mulheres, Aleitamento Materno.

Voltar ao topoVoltar