Início do conteúdo

GESTÃO DO CUIDADO NO NÚCLEO AMPLIADO DE SAÚDE DA FAMÍLIA E ATENÇÃO BÁSICA: DIMENSÕES GERENCIAIS E TECNOASSISTENCIAIS

RESUMO: O processo de Gestão do Cuidado abrange várias dimensões e inclui o uso de diversos arranjos, ferramentas e dispositivos na sua operacionalização. O objetivo deste estudo é compreender os processos de gestão do cuidado operados no Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (Nasf-AB). Trata-se de um estudo de caso, com abordagem qualitativa, realizado no município de Maracanaú-Ceará. Participaram do estudo 12 profissionais vinculados a uma equipe de NasfAB, dos quais seis eram residentes da residência multiprofissional em saúde da família. O material empírico foi apreendido por meio de grupo focal e analisado com base na Análise de Conteúdo, modalidade temática. Foram respeitadas as diretrizeséticas que regulamentam a pesquisa com seres humanos. Os resultados apontaram que os profissionais associam a gestão do cuidado ao trabalho interprofissional e em rede, para atendimento às necessidades dos usuários, bem como ao processo de coordenação e oferta do cuidado, além do processo de construção da autonomia dos sujeitos frente às suas necessidades de saúde, porém, esses conceitos foram embasados em suas práticas e vivências do dia a dia, não considerando referenciais teórico-científicos. No processo de trabalho destas equipes houve a necessidade de (re)construção da identidade profissional, devido à formação deles ter sido voltada para o modelo hegemônico/biomédico e o cenário de atuação no Nasf requisitar outra metodologia de trabalho. No que se referem às suas práticas, estas equipes mobilizam recursos, articulam arranjos e/ou dispositivos/ferramentas para assegurar o cuidado integral, na busca pela resolubilidade da atenção. Contudo, não agem de forma intencional na operacionalização de estratégias de gestão do cuidado. Neste processo foram identificadas fragilidades como formação insuficiente para o agir no Nasf-AB, demanda excessiva, rotatividade de profissionais, incipiência no planejamento/monitoramento conjunto entre as equipes, déficit no estabelecimento de fluxos, dentre outros. Conclui-se, portanto, que é preciso implementar educação permanente para profissionais do Nasf-AB, o estabelecimento de fluxos de acesso, efetivação de dispositivos para planejamento e monitoramento das ações, dentre outras atividades que potencializem o processo de gestão do cuidado operado na atenção primária pela equipe Nasf-AB e equipes de referência.

 

Palavras-chave: Atenção primária à saúde. Gestão em saúde. Assistência integral à saúde.

Voltar ao topoVoltar