Início do conteúdo

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: FATORES DE RISCO EM QUILOMBOLAS

RESUMO: A Hipertensão Arterial Sistêmica é compreendida como um dos grandes problemas de saúde pública no Brasil e no mundo. Vista como a principal causa de mortes evitáveis em países em desenvolvimento, aparece entre as doenças mais prevalentes em indivíduos de cor não branca, podendo estar associada a grupos sociais mais baixos. Esta pesquisa objetivou avaliar os fatores de risco para a Hipertensão Arterial Sistêmica em quilombolas. Trata-se de um estudo transversal, analítico, de abordagem quantitativa, junto à comunidade quilombola de Santana dos Pretos no período de agosto de 2018 a fevereiro de 2019. Participaram da pesquisa, 177 quilombolas com igual ou maior a 18 anos. Para coleta de dados utilizou-se um formulário validado, adaptado à realidade da comunidade, baseado na Pesquisa Nacional de Saúde e no formulário eletrônico do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico -Vigitel. Foi realizado triagem antropométrica e aferição da pressão arterial. Os dados foram analisados pelo programa IBM SPSS Statistics 20 (2011) adotando um nível de significância de 5% (p < 0,05). A Hipertensão Arterial Sistêmica apresentou prevalência de 22,2%. A comunidade é composta em sua maioria por pessoas que se autodeclaram cor da pele preta, do sexo feminino, jovens, lavradores, renda familiar mensal de até um salário mínimo, todos residentes em zona rural. Identificou-se como fatores de risco idade (>=60 anos; p <0,030), índice de massa corporal para obesidade (p<0,001), circunferência e cintura muito aumentada (p<0,010), inatividade física (p<0,043), e o consumo irregular de verduras (p<0,041). Conclui-se que os fatores de risco mostraram-se presentes nos entrevistados e que a Hipertensão Arterial Sistêmica apresentou prevalência semelhantes aos achados de estudos nacionais e divergente de estudos envolvendo quilombolas.

 

Palavras-chave: Hipertensão Arterial Sistêmica. Fatores de Risco. População Negra.

Voltar ao topoVoltar