Início do conteúdo

INTERPROFISSIONALISMO NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: UM OLHAR SOBRE AS AÇÕES DE PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL

RESUMO: O modelo de saúde brasileiro apresentou notável mudança com o Programa Saúde da Família, então Estratégia Saúde da Família, operacionalizada por equipes multiprofissionais, adicionando-se profissionais para melhor atender a população na integralidade da saúde, a equipe de saúde bucal e os profissionais do Núcleo de Apoio à Saúde da Família. O trabalho interprofissional é crucial para a consolidação desse modelo de atenção à saúde, porém o cirurgião-dentista encontra-se diante de muitos desafios para trabalhar em equipe, advindos de sua formação tradicional de saber fragmentado. Diante de diferentes categorias profissionais, torna-se imprescindível refletir sobre o trabalho interprofissional. Objetivou-se conhecer o interprofissionalismo, no âmbito da saúde bucal, entre os trabalhadores graduados da Estratégia Saúde da Família. Tratou-se de um estudo exploratório e transversal, com complementaridade entre as abordagens quantitativa e qualitativa. Foi desenvolvido com 39 profissionais graduados da Atenção Básica do município de Icó, Ceará, Brasil, que atuavam em conjunto com equipe de saúde bucal. Dois questionários semiestruturados semelhantes, um aplicado aos cirurgiões-dentistas e o outro aos demais trabalhadores, foram utilizados como instrumentos de coleta de dados. Os dados quantitativos foram tabulados através do programa Excel versão 2013 e operacionalizados com auxílio de software de análise estatística SPSS versão 23. E os qualitativos foram submetidos à análise de conteúdo, modalidade temática de Bardin. O estudo atendeu à Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012, do Conselho Nacional de Saúde, e foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do Ceará, sob o número 3.355.254. A pesquisa apontou que uma deficiência na manutenção técnica nas unidades, a recorrente falta de insumos e demanda excessiva de usuários prejudicam o trabalho em equipe, assim como a inexistência de um plano de cargos, carreiras e salários é motivo de descontentamento entre os profissionais, que apesar da maioria relatar ter liberdade para participar de cursos de atualização e qualificação, não há no município uma política de educação permanente. Um bom número de profissionais possui especialização em Saúde da Família (56,4%), mas entre os cirurgiões-dentistas a maioria expressiva (60%) optou por pós-graduação em área clínica. A equipe de saúde bucal representa a categoria profissional com menor assiduidade nas reuniões de equipe. Todos os profissionais consideraram importante o trabalho interprofissional e sugeriram reuniões periódicas, atividades compartilhadas mais frequentes e capacitações como forma de intensificar essa ação. As atividades mais compartilhadas com a equipe de saúde bucal foram: ações educativas do Programa Saúde na Escola, visitas domiciliares e atividades compartilhadas, em especial, nas consultas das gestantes e de puericultura. Mas ainda são predominantes os atendimentos limitados ao consultório odontológico. A educação permanente é fundamental, evitando-se a transmissão de informações verticais de atualização de procedimentos e protocolos. O trabalho interprofissional apresenta-se, portanto, como um dos melhores métodos de atuação em saúde para enfrentar os diversos desafios presentes na Atenção Primária à Saúde.

Palavras-chave: Estratégia Saúde da Família; Relações Interprofissionais; Odontologia Comunitária.

Voltar ao topoVoltar