Início do conteúdo

MÃOS QUE TECEM A REDE: UMA PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DE SABERES E PRÁTICAS DA LINHA DE CUIDADO E SAÚDE MENTAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA NO MUNICÍPIO DE UNIÃO-PI.

RESUMO
Esta pesquisa se caracteriza como Projeto-intervenção, porque tem como base a ideia de uma relação dialética entre pesquisa e ação, com abordagem qualitativa e natureza analítico-descritiva, tendo em vista as características do objeto de estudo que buscou compreender as dificuldades, necessidades e perspectivas no acompanhamento da doença mental na atenção básica, representada por três grupos focais, usuários com familiares, profissionais da ESF e profissionais da saúde mental, com o intuito de identificar suas fragilidades e potencialidades e assim fortalecer os integrantes dessa linha de cuidado da atenção psicossocial com objetivo de elaborar uma proposta de reorientação de saberes e práticas da linha de cuidado em saúde mental na Atenção Primária. Foi realizado em uma equipe da ESF da zona rural do Município União-PI. O procedimento da intervenção teve a duração de quatro meses. O estudo se divide em três momentos para o levantamento das dificuldades, necessidades e perspectivas da assistência feita em saúde mental. Momento I: roda de conversa com usuários e familiares. Momento II: roda de conversa com profissionais da ESF. Momento III: roda de conversa com profissionais da equipe matricial. Como critério de identificação das ações do matriciamento na EqSF foi realizado registros tais como: diário de campo e relatório das rodas de conversa, que possibilitaram espaços de discussão das situações adversas e propor intervenções de acordo com os elementos de análise das representações dos sujeitos sobre o serviço de saúde mental da atenção básica e assim discutir a realidade da área e entender o papel de cada um neste contexto e saber que mesmo seja feito pelo NASF ou CAPS, o matriciamento não é ir lá e fazer sozinho pois não dar conta, e nem fazer só o tratamento medicamentoso e nem muito menos ir lá e dizer como deve ser feito porque cada profissional tem domínio da sua expertise, mas manter um corresponsabilidade nessa construção da linha de cuidado.
Palavras-chave: Reforma psiquiátrica. Atenção Primária à Saúde. Saúde Mental.

Voltar ao topoVoltar