Início do conteúdo

MULHERES QUE SE CUIDAM: AÇÕES EDUCATIVAS NO EMPODERAMENTO FRENTE AO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO

RESUMO
Este estudo teve como objetivo construir um plano de ações educativas, junto às mulheres, para a prevenção e o controle do câncer do colo do útero (CCU), na comunidade da Lagoa do Portinho, Parnaíba-Piauí, tendo como suporte a Pesquisa Participativa baseada na comunidade. Trata-se de uma pesquisa/intervenção do tipo descritiva, com abordagem qualitativa utilizando como marco teórico a CBPR (Community Based Participatory Research), desenvolvida junto a doze mulheres acompanhadas pela ESF e duas agentes comunitárias, com idade entre 25 a 64 anos, no período de novembro de 2013 a janeiro de 2014. Utilizamos para coleta das informações os seguintes elementos: entrevista individual, produção e produto individual e coletivo, observação participante e anotações no diário de campo. A organização e análise das informações teve como suporte a Análise de Conteúdo, que permitiu a elaboração de quatro categorias temáticas: saberes sobre o câncer do colo uterino e práticas na prevenção do câncer do colo uterino, antes da realização da intervenção, e após a mesma, o empoderamento na prevenção do câncer do colo uterino e contribuições de uma intervenção educativa na prevenção do CCU. Os resultados evidenciaram que as atividades educativas, pautadas nos pressupostos da CBPR, demonstraram-se efetiva, pois houve a sensibilização das mulheres na luta contra o câncer uterino, o empoderamento coletivo e a transformação positiva em relação aos saberes e práticas preventivas do CCU, que resultou na construção de um vídeo artesanal para a divulgação do tema. Acreditamos que a realização desse estudo, permitiu evidenciar a importância das atividades educativas na prevenção do CCU, contribuindo para uma visão renovada sobre essa prática; além de confirmar a necessidade de implementação e da continuidade dessas ações, utilizando estratégias que beneficiem a troca de saberes e facilitem alcançar os objetivos propostos.
Palavras-chave: Mulheres. Participação Comunitária. Atenção Primária à Saúde. Câncer Uterino.

Voltar ao topoVoltar