Início do conteúdo

PLANTAS MEDICINAIS NA PRÁTICA DO TRABALHO COTIDIANO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE DE LIMOEIRO DO NORTE – CE: CONHECER PARA TRANSFORMAR

RESUMO: A Organização Mundial de Saúde (OMS) define Plantas Medicinais como aquelas que, utilizadas pelo indivíduo, de algum modo ou por alguma via, produzem ação farmacológica. O presente estudo, de abordagem quantitativa, do tipo descritivo, com procedimentos pesquisa-ação, teve como objetivo avaliar os conhecimentos sobre Plantas Medicinais na prática do trabalho cotidiano dos agentes comunitários de saúde (ACS) de Limoeiro do Norte – CE, na busca de conhecer para transformar. Participaram do estudo cento e três (103) ACS. Foi avaliado previamente o nível de conhecimento dos ACS sobre Plantas Medicinais, revelando que 59,2% não haviam participado de cursos sobre Plantas Medicinais, 89,3% usam Plantas Medicinais e 71,8% orientam a população a usar, destaca-se que a influência do uso se deve à família e pessoas da comunidade; 96,1% acreditam na eficácia, 90,3% que o baixo custo não interfere na eficácia, 83,5% não conhecem pessoas cujo uso de plantas causou malefícios à saúde, 57,3% conhecem pessoas curadas por meio do uso, sendo as plantas mais utilizadas nas comunidades onde atuam: romã, boldo, mastruz, hortelã e malvarisco. A mais, foi realizada uma capacitação que proporcionou a construção de conhecimentos teóricos sobre Plantas Medicinais in natura e vivências práticas sobre as preparações de remédios caseiros. Nessa esteira, avaliou-se e evidenciou-se que ocorreu aumento de 12% para 54% quanto à segurança em orientar as pessoas sobre o uso de Plantas Medicinais; de 29% para quase 59% de citação de plantas da REPLAME – CE. O elevado nível de acertos das respostas referentes às técnicas de higiene, modo de uso, preparações, indicação e contraindicação demonstram o alcance dos objetivos propostos. Conclui-se que a oficina de capacitação foi eficaz para o empoderamento dos ACS nos conhecimentos teóricos e práticos para a orientação dos indivíduos e famílias quanto ao uso eficaz e seguro de Plantas Medicinais no cuidado com a saúde. É preciso ter entendimento de que a oficina não suprirá a aquisição de conhecimentos dos ACS, assim é importante a implantação da Educação Permanente em Plantas Medicinais e fitoterápicos com programação local que responda às necessidades da Atenção Básica. Além disso, as ações do Programa Farmácias Vivas e as atividades do exercício profissional dos Agentes Comunitários de Saúde estão inseridas em atividades da prevenção e promoção da saúde, justificando a prática de orientar o uso de Plantas Medicinais, desde que detenha o conhecimento para garantir a qualidade do atendimento e a transformação da prática profissional.

 

Palavras-chave: Fitoterapia. Práticas Integrativas e Complementares. Atenção Básica. Agentes Comunitários de Saúde.

Voltar ao topoVoltar