Início do conteúdo

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE FORTALEZA: CONTRIBUIÇÕES E LIMITAÇÕES PARA A ATENÇÃO E GESTÃO DO CUIDADO

RESUMO
O Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP) é uma ferramenta de registro de informações em saúde criada essencialmente para facilitar a comunicação e promover a coordenação dos serviços. A Atenção Primária de Fortaleza utiliza este instrumento há cerca de uma década, porém muitos profissionais da Estratégia Saúde da Família (ESF) se referem ao PEP como uma tecnologia de pouca funcionalidade. Nesta perspectiva, esta pesquisa teve como objetivo geral analisar as percepções dos profissionais da ESF sobre o Prontuário Eletrônico do Paciente e sua relação com o modelo de Atenção em Saúde da Família. Trata-se de um estudo descritivo exploratório de natureza qualitativa, realizado no município de Fortaleza. A amostra foi do tipo intencional, realizada com 30 profissionais de saúde, distribuídos entre médicos, dentistas e enfermeiros da ESF. A coleta de dados foi feita em sete das doze Unidades de Atenção Primária selecionadas da Secretaria Regional V do município. A construção dos dados deu-se a partir da análise das discussões de grupos focais por meio de um roteiro que abordou os seguintes temas: utilização do PEP na rotina de trabalho, conhecimento e percepções sobre uso do PEP, repercussões na atenção em saúde e na gestão do cuidado e sugestões de elementos-chave na construção do Prontuário Eletrônico Familiar. Os dados foram coletados nos meses de setembro, outubro e novembro de 2013, sendo posteriormente analisados por análise temática e interpretados à luz da literatura pertinente. Ressalta-se que os cuidados éticos foram seguidos em todos os momentos da pesquisa. Os resultados mostraram que nem todos os profissionais da ESF de Fortaleza utilizam o PEP por vários motivos, tais como: escassez de maquinários, lentidão do sistema, baixa confiabilidade na segurança, dificuldade de manuseio, etc. Entretanto, os sujeitos, independentemente das fragilidades do sistema consideraram um grande benefício trabalhar com o prontuário eletrônico e afirmaram, em sua maioria, que ele possui muitas potencialidades, que, se implementadas, viabilizam a utilização do sistema. Para os participantes, entretanto, seria ideal que um novo prontuário eletrônico de base familiar fosse construído, tendo em vista que o PEP do município é individual, e esta característica dificulta o trabalho da ESF. Os sujeitos sugeriram elementos-chave para a construção de um prontuário eletrônico de base familiar, que foram: construção coletiva; acesso multidisciplinar e em todos os pontos de atenção das redes de atenção à saúde do município; presença das ferramentas de abordagem familiar; e, principalmente, adequação às diversas realidades dos serviços de saúde. Concluiu-se que conhecer as percepções dos profissionais da ESF sobre o PEP foi fundamental pois permitiu identificar as características que precisam ser mantidas, as falhas que necessitam ser modificadas, e as potencialidades que devem ser aperfeiçoadas para a construção de um prontuário adequado às necessidades dos profissionais e dos serviços de saúde.
Palavras-chave: Sistemas Computadorizados de Registros Médicos. Saúde da família. Atenção à saúde. Gestão em saúde.

Voltar ao topoVoltar