Início do conteúdo

SAÚDE DA FAMÍLIA E EDUCAÇÃO MÉDICA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DE UM CURSO DE MEDICINA NO SERTÃO PARAIBANO

RESUMO

Considerando os processos de reforma da Educação Médica nos últimos anos e o debate atual sobre a interiorização da medicina, verifica-se a necessidade de estudar as experiências surgidas após as DCN de 2001. Assim, buscou-se analisar a experiência do Curso de Medicina da UFCG-Cajazeiras, bem como: fazer um relato histórico do curso; analisar os desafios atuais; reconhecer os fundamentos teóricos do PPC; descrever a inserção da Saúde Coletiva/MFC no currículo; analisar se esse PPC atende às exigências da APS; descrever como os aspectos referentes ao mundo do trabalho, projeto pedagógico, abordagem pedagógica, cenários de prática e desenvolvimento docente são vivenciados; reconhecer contradições entre PPC e condução real; e extrair generalizações que embasem políticas públicas. A pesquisa localiza-se no quadro referencial marxista, utilizando métodos de procedimento histórico, monográfico e comparativo, com abordagem qualitativa de caráter descritivo e exploratório, tendo, como técnicas de coleta de dados, a Documentação Indireta (pesquisas documental e bibliográfica) e a Observação Direta Intensiva - observação participante, inicialmente assistemática e, posteriormente, sistemática, seguindo instrumento desenvolvido por Lampert; e, enquanto técnica de análise de dados, o método hermenêutico-dialético. A história do curso revela a tensão entre baixa capacidade de absorção da rede de saúde local e características institucionais da UFCG (corpo docente e PPC). O primeiro aspecto foi pólo principal da contradição nos primeiros anos, parcialmente contornado com redução de entradas anuais, viabilização do internato em outras instituições e instalação de serviços hospitalares próprios. Somente então o Desenvolvimento Docente ganha principalidade nos desafios atuais. Partindo de problemática comum à Medicina Rural, o PPC apresenta grande ecletismo: flerta com o Materialismo Histórico-Dialético via Epidemiologia Crítica Latino-Americana, que fundamenta sua compreensão da Medicina, e Metodologia da Problematização, subjacente à compreensão do aluno como sujeito e à diversificação dos espaços de aprendizagem; referenciando-se na Pedagogia das Competências, dialoga com correntes de cunho racionalista, individualista e neopragmatista; e, finalmente, a Pós-modernidade de Contestação de Boaventura de Sousa Santos e o Pensamento Complexo de Edgar Morin fundamentam uma compreensão ética do Ser Humano e da Ciência, que norteiam os pressupostos de currículos baseados no humanismo e da pesquisa como eixo condutor do ensino. O curso está alinhado às diretrizes da ABEM/SBMFC para o ensino na APS. Inserido desde o primeiro ano, com o ensino de abordagens coletivas do processo saúde-doença, a formação na APS continua com ênfase, a partir do quarto período, na abordagem comunitária e familiar no território, dentro do qual se desenvolve a Residência em MFC e onde, nos anos intermediários seguintes e no internato, treina-se abordagem da clínica individual na APS. Nesse percurso são trabalhadas metodologias diferenciadas, como vivências, grupos tutoriais para acompanhamento de PTS, seminários, etc. O curso apresenta perfil Inovador com Tendência Avançada, sendo o Desenvolvimento Docente seu ponto crítico, revelando sua contradição fundamental: avanços no plano teórico, mas que não são expressos totalmente na prática. Conclui-se que as políticas de interiorização do ensino médico deve priorizar a análise da rede de saúde, e que mudanças na Educação Médica depende da ação política, apresentando-se uma agenda de propostas.

Palavras-chave: Atenção Primária à Saúde. Saúde da Família. Educação Médica. Educação em Saúde.

Voltar ao topoVoltar