Início do conteúdo

SAÚDE E DOENÇA DE MULHERES EM SITUAÇÃO DE RUA: UM ESTUDO À LUZ DA HISTÓRIA ORAL

RESUMO
LIMA, F.V. Saúde e doença de mulheres em situação de rua: um estudo à luz da História Oral. 2016. 91f. Trabalho de Conclusão de Mestrado. Mestrado Profissional em Saúde da Família. Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016.
A população em situação de rua é um grupo de pessoas heterogêneas e vulneráveis, que vivem ou moram na rua e estão expostas a extrema pobreza e iniquidade social. Nesse cenário, as mulheres apresentam-se em número menor, contudo as vulnerabilidades por elas vivenciadas são intensificadas pela relação do gênero feminino na sociedade. O presente estudo objetivou analisar experiências de vida relacionadas ao adoecimento e enfrentamento de vulnerabilidades de mulheres em situação de rua. Tratou-se de um estudo de caso, com abordagem qualitativa, realizado segundo a técnica da História Oral Temática. A coleta dos dados foi desenvolvida no período de dezembro de 2015 e janeiro de 2016 no município de João Pessoa - Paraíba. Colaboraram com o estudo seis mulheres em vivencia de rua, cadastradas e acompanhadas pelo Centro de Referência à População em Situação de Rua (Centro POP). Os procedimentos na produção do material empírico foram desenvolvidos segundo etapas da História Oral: entrevistas, transcrição do material gravado, textualização, transcriação e conferência do texto pelo colaborador. A técnica de análise de conteúdo temática foi empregada e resultou na construção de duas categorias temáticas: vulnerabilidades e adoecimentos de mulheres em situação de rua; e estratégias de enfrentamento de vulnerabilidades e adoecimento vivenciados pelas mulheres em situação de rua. Os principais pontos de convergência entre as histórias dessas mulheres foram ser negras, ter baixa escolaridade, ser vítimas de violência doméstica e fazer uso abusivo de álcool e/ou outras drogas. Entre os motivos que levaram a vivência nas ruas, foram citadas a desfiliação e a dependência química. Nas narrativas sobre o viver e adoecer nas ruas, foram identificadas vulnerabilidades individuais, sociais e pragmáticas. A partir dos relatos de adoecimentos, destacaramse o sofrimento psíquico e adoecimento mental, o uso abusivo de álcool e outras drogas, problemas odontológicos e doenças transmissíveis. Como estratégias de enfrentamento de vulnerabilidades e adoecimentos, as mulheres relataram: o apoio de familiares e amigos, a rede social comunitária, o vínculo com os profissionais do Centro POP e a busca de serviços de saúde. Concluiu-se que há particularidades no viver, adoecer e morrer nas ruas, porém todas as histórias expressam vivências de exclusão social e privação de direitos humanos. O enfrentamento efetivo dessa problemática deve partir da perspectiva interpretativa de quem vivencia a rua e ser garantido mediante políticas públicas contínuas e intersetoriais.
Palavras-chave: População em situação de rua. Saúde da Mulher. Processo saúdedoença

Voltar ao topoVoltar