Início do conteúdo

SEDENTARISMO ENTRE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA NO MUNICÍPIO DE FORTALEZA

RESUMO

O sedentarismo ou inatividade física é, segundo a OMS (Organização Mundial de Saúde), o inimigo número um da saúde pública, associado a dois milhões de mortes ao ano em todo mundo e de 75% nas Américas. O presente trabalho tem por objetivo geral avaliar a prevalência do sedentarismo entre profissionais de saúde integrantes das Unidades de Atenção Primária à Saúde do município de Fortaleza. Trata-se de um estudo transversal realizado no período de agosto de 2012 até abril de 2014, que contou com a participação de 368 profissionais de saúde. Utilizaram-se dois questionários: o primeiro reuniu informações sobre aspectos socioeconômicos, demográficos e a avaliação da prática de atividade física ocorreu pela utilização do instrumento Internacional de Atividade Física (IPAQ), na forma curta. Como resultados, observou-se que a prevalência do sedentarismo foi de 47,3% e afetou, principalmente, pessoas do sexo feminino (85,0%); na faixa etária menor que 40 anos (64,9%); casado/união consensual (69,0%); com filhos (65,5%); com escolaridade superior (87,4%); enfermeiros (33,3%); os indivíduos com outra ocupação (52,9%); com carga horária até 40 horas (59,8%); que não apresentavam deficiência física (97,1%) ou doença crônica (81,6%); não fumantes (97,7%) e que raramente bebiam (68,9%); que classificaram seu estado de saúde como bom (54,4%); e com excesso de peso (53,2%). Na análise multivariada, apenas permaneceram como possíveis fatores determinantes do sedentarismo estar na faixa etária entre 40 e 59 anos, ser separado/viúvo e ser do grupo de trabalhadores da saúde (auxiliares/técnico). Desta forma, será necessário pensar em estratégias que incentivem a prática da atividade física regular entre os sedentários.

Palavras-chave: Saúde da Família. Sedentarismo. Atividade Física. Profissionais da Saúde. IPAQ.

Voltar ao topoVoltar