Início do conteúdo

UM NOVO OLHAR SOBRE AS QUEDAS EM IDOSOS: PROPOSTA DE DIAGNÓSTICO AMBIENTAL E PREVENÇÃO

RESUMO
O envelhecimento populacional implica na necessidade de um novo olhar para prevenção de quedas e segurança domiciliar do idoso, principalmente diante da evidência de que os idosos ficam a maior parte de seu tempo em casa. O objetivo principal deste estudo é implantar uma estratégia de ação para prevenção de quedas em pessoas idosas, a partir da elaboração de um guia de segurança ambiental e utilização da caderneta de saúde da pessoa idosa. Para tanto, foi realizado uma pesquisa ação com uma das etapas de diagnóstico feita a partir de um estudo analítico e observacional com abordagem quantitativa em 288 idosos, com idade acima de 60 anos, de ambos os sexos, na zona rural de São José de Mipibu-RN, em 2016, através do método de amostra probabilística aleatória simples (p=0,30 e e=0,05). Utilizou-se o questionário de avaliação ambiental e quedas pertencente à caderneta de saúde da pessoa idosa. Capacitaram-se os Agentes Comunitários de Saúde (ACS) no reconhecimento e identificação dos riscos ambientais de quedas do domicilio da pessoa idosa através de um Guia produzido pelas autoras, fruto da intervenção da pesquisa, intitulado: Lar seguro, idoso ativo. Verificou-se que o ambiente domiciliar do idoso é inseguro, grande parte das habitações são oriundas de projeto de habitação do governo federal e são entregues sem qualquer item de segurança ambiental. A avaliação ambiental quanto à iluminação mostrou-se segura, apontando para interruptores de fácil acesso na entrada dos cômodos. O banheiro é o cômodo mais inseguro e a cozinha e o quarto cômodos menos inseguros. Observou-se que os idosos apresentavam algum tipo de redução da sua capacidade de deambulação, auditiva ou visual, porém apenas 10,42% deles relataram essa dificuldade, fator que pode predispor a quedas. Foi observada queda em 24,65% dos entrevistados tendo a maioria ocorrido dentro de casa (63,38%). Verificou-se ainda que 23,94% das quedas resultaram em algum tipo de fratura e 21,13% dos idosos afirmaram ter paralisado suas atividades por medo de cair novamente, além de 15,49% terem caído mais de uma vez no ano. Os itens de segurança só foram encontrados em domicílios em que o idoso sofreu alguma queda, indicando que é possível a aquisição de itens de segurança. Entretanto, os idosos só os obtêm após a ocorrência de quedas, evidenciando a falta de prevenção, que pode ser feita, não só com a aquisição de itens de segurança, mas com algumas orientações encontradas no guia citado acima. O mesmo mostrou-se uma ferramenta coletiva eficiente, capaz de proporcionar o reconhecimento de um ambiente propenso a quedas, e possível intervenção junto ao idoso e seus familiares para prevenção de quedas.
Palavras-chave: Idoso, Acidentes por quedas, Habitação, Prevenção.

Voltar ao topoVoltar