Início do conteúdo

VALIDAÇÃO DE UMA TECNOLOGIA EDUCATIVA PARA PREVENÇÃO DE VIOLÊNCIA CONTRA ADOLESCENTES

RESUMO: A violência sofrida na adolescência acarreta sérias repercussões no processo de crescimento e desenvolvimento do grupo, diminui a expectativa de vida, representa custos para as famílias e para os sistemas de saúde, e prejudica os projetos de vida, o que pode produzir o desenvolvimento de atitudes antissociais e a reprodução do ciclo da violência nas gerações futuras. O presente estudo propôs a construção e validação de um aplicativo para dispositivo móvel sobre o enfrentando as violências contra adolescentes, a partir de um estudo metodológico, com o uso do método de Design Instrucional Contextualizado, validação do conteúdo por especialistas da área da saúde do adolescente e/ou violência, especialistas da área tecnológica e teste piloto com adolescentes em ambiente escolar no município de Barroquinha, Ceará. Os especialistas da área da saúde, com representatividade de seis indivíduos, apresentaram idades de 31 a 55 anos, com média 42,3 ± 9,7 anos, sendo todos do sexo feminino e com graduação em enfermagem e tempo de formação variando de 7 a 27 anos, com média 18 ± 8,5 anos. A totalidade dos profissionais na área da tecnologia, amostra constituída por sete participantes, foi do sexo masculino, com graduação distribuída em engenharia da computação e desenvolvimento de sistemas, idade variando de 29 a 43 anos, média 38,7 anos e tempo de formação variando de 6 a 21 anos, média 15,5 anos. A amostra dos adolescentes foi constituída por 108 jovens estudantes do ensino médio, sendo a maioria do sexo feminino, idade variando de 15 a 22 anos, média 16,6 ± 1,11 anos. Foi utilizado o Índice de Validação de Conteúdo com parâmetro de concordância de 80%. A validação global dos especialistas foi de 95%, com validação de 98% pelos especialistas da área da saúde e 92% pelos especialistas da área da tecnologia, configurando a validação da tecnologia com abordagem educativa, havendo necessidade de atualização periódica, a fim de realizar melhorias no aplicativo e acompanhar o comportamento das violências que acometem o público-alvo. Obtevese aceitação de 94% da população amostra do teste piloto, revelando que o aplicativo condiz com os adolescentes, já que ele intenta despertar nos jovens de forma educativa e interativa, o interesse pelo assunto e mostrar as situações de violências existentes, de como proceder diante dessas situações, além de gerar um banco de dados sobre as violências vivenciadas por eles, que futuramente poderão ser utilizadas para subsidiar as políticas públicas de enfrentamento as violências 8 contra os adolescentes. Alguns aspectos limitantes do estudo foram identificados, como: disponibilidade do aplicativo apenas na plataforma Android, tempo mínimo para construção da tecnologia, poucos estudos de construção de tecnologias digitais com abordagem educativa, voltadas aos adolescentes e dependência de outros atores para o desenvolvimento do processo. Assim, fazem-se necessários estudos que envolvam o desenvolvimento de tecnologias digitais na área saúde, visto que essa é uma área que merece atenção por ser um instrumento de fácil acesso a população e que a linguagem desenvolvida seja direcionada ao público-alvo, especialmente quando se envolve os adolescentes.

 

Palavras-chaves: violência; adolescentes; tecnologia educativa.

Voltar ao topoVoltar