Início do conteúdo

VIVÊNCIAS DE VULNERABILIDADES DE MULHERES ÀS INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

RESUMO: As Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) representam um importante problema de saúde pública no Brasil e no mundo, que reverberam em consequências de natureza sanitária, social e econômica, causando verdadeiro impacto na qualidade de vida das pessoas, seja nas relações pessoais, familiares ou sociais. Teve como objetivo compreender as vivências de vulnerabilidades de mulheres às Infecções Sexualmente Transmissíveis na Atenção Primária à Saúde. Pesquisa exploratória e descritiva com abordagem qualitativa, desenvolvida entre o período de agosto de 2018 a outubro de 2019, em uma Unidade Básica de Saúde do município de Tururu - Ce. Participaram do estudo oito mulheres com faixa etária entre 21 a 44 anos e histórico prévio de IST. O desenvolvimento da coleta de informações se deu em tres etapas: busca dos participantes, visita domiciliar e entrevista. As entrevistas foram analisadas conforme a análise temática proposta por Bardin, das quais emergiram aspectos comuns que favoreceram a construção progressiva de tres categorias temáticas: conhecimentos, atitudes e práticas de mulheres com relação às IST; relações de gênero e poder que envolvem o universo da mulher com IST e percepção de mulheres quanto a sua vulnerabilidade as IST. Diante dos resultados encontrados percebeu-se que as mulheres possuem um conhecimento fragilizado sobre as IST, fator condicionante para as práticas sexuais desprotegidas. Associada a estas questões, a hegemonia masculina retrai as mulheres em posição de submissão, refletindo a forte influencia de gênero nas relações afetivas conjugais, não lhe dando o direito de livre escolha sobre sua vida sexual e reprodutiva, situação esta que dificulta o diálogo, a negociação de uma relação sexual segura, além de contribuir para que a mulher não se reconheça como um sujeito de direitos sexuais e reprodutivos. Constataram-se a baixa percepção e desconsideração das mulheres quanto à vulnerabilidade as IST. Elas acreditam que a possibilidade de adquirir IST está vinculada a comportamentos considerados desviantes, sendo provável apenas na vida de quem não vivencia um relacionamento estável. Desse modo, o principal desafio é traduzir as soluções para a superação dos diferentes contextos de vulnerabilidade das mulheres às ISTs, a partir da elaboração de políticas efetivas e ações concretas que assegurem o acesso aos programas de promoção e prevenção, disponíveis no sistema de saúde, com garantia de uma assistência holística e integral para a saúde da mulher.

 

Palavras-Chave: Vulnerabilidade em Saúde. Doença Sexualmente Transmissível. Mulheres. Atenção Primária à Saúde.

Voltar ao topoVoltar